EU ASSISTI: O ESPAÇO ENTRE NÓS



Quando vi o trailer de O Espaço Entre Nós fiquei encantado com sua premissa e comecei a contar os dias para assisti-lo no cinema, o único problema é que aqui em salvador ele só estava disponível em um cinema e com uma única sala, fiquei tão decepcionada com a dificuldade para vê-lo, que acabei deixando para lá e preferi assisti em casa quando encontrei ele para baixar. 

Apesar de a premissa fazer parecer que é uma ficção cientifica, o filme não passa de um romance/drama “água com açúcar”, ele se encaixa perfeitamente na categoria: “filmes para adolescentes”, mas não se deixem enganar apenas por isso, o filme é bastante competente no quesito fotografia, roteiro, montagem e efeitos especiais, tornando o clichê sensacional. A premissa da história foi uma das coisas que mais me encantou no filme, além de ser criativo, o roteirista a bem crível, nos dando as explicações que precisávamos. 

Gardner Elliot (Asa Butterfield) é o primeiro humano nascido em solo marciano da história, sua mãe era a astronauta líder em uma missão a marte, que só descobriu estar grávida no meio do caminho, por ter passado toda a gestação na gravidade zero, os cientistas acreditam que a melhor oportunidade para o Gardner é nascer em Marte, o único problema é que sua mãe morre logo depois do parto e ele nunca aguentaria uma viagem para a Terra. Sendo assim, ele cresce em meio a cientistas e é mantido escondido das pessoas, sendo tutorado por Kendra Wyndham (Carla Gugino), que se torna sua mãe adotiva involuntariamente. 

16 anos depois, Gardner não suporta mais seu cativeiro e passa a se comunicar secretamente através da internet com Tulsa (Britt Robertson) a única, tirando os cientistas, que sabe da sua existência. Ele conta meias verdades a ela e esconde um grande sonho: conhecer a terra e, o mais importante de tudo, conhecer seu pai biológico.



Já na terra, temos outro personagem central, o Nathaniel Shepherd (Gary Oldman), um empresário multimilionário entusiasta da inovação tecnológica espacial. O criador do projeto que levou a mãe de Gardner a Marte. Ele é o único contra a vinda do menino a terra, porque acredita que os riscos que ele corre podem ser fatais, mas mesmo com todos os seus esforços, a NASA decide que é hora de Gardner realizar seu sonho. 

Quando Garner chega a terra, descobre que as coisas não são como ele esperava, seu organismo não está preparado e adaptado à atmosfera terrestre, portanto, sua própria saúde torna-se um sério obstáculo para sua jornada. Então, em um momento de desespero ele foge para se encontrar com sua única amiga, Tulsa. Ela não acredita em tudo que ele lhe conta, mas embarca com ele em seu sonho de encontrar seu pai. 

A medida que a relação deles vai se desenvolvendo, se torna surpreendente, a química entre os atores vai melhorando, evitando ficar apenas no nível “historias de amor para adolescentes”. E através da empolgação e do deslumbramento de Gardner para conhecer a Terra que Tulsa começa a repensar em sua vida, através do olhar inocente de um marciano(?).

E se você não está reconhecendo os atores do filme, se lembram daquele filme: O Menino do Pijama Listrado ou A Inveção de Hugo Cabret? Pois é, o menino cresceu e deu vida ao personagem principal do filme, quanto a Tulsa, talvez vocês se surpreendam ao saber que ela é protagonista de GirlBoss, nova série do Netflix, e também de Uma Longa Jornada, adaptação do livro do Nicholas Sparks. 



É como eu disse a vocês, apesar do filme se encaixar perfeitamente na categoria: filme para adolescentes. Acho que vale muito a pena ser assistido porque eles capricharam bastante, e com eu sou louca por romances “água com açúcar”, gostei bastante do filme! Espero que tenham gostado da resenha e se assistirem, venham me contar o que acharam!



 
© Copyright - Mariely Abreu - Design e Codificação - Todos os direitos reservados Voltar ao Topo!