EU ASSISTI: 13 REASONS WHY


No último dia 31, a Netflix nos presenteou adicionando em sua plataforma a sua mais nova série 13 Reasons Why (os 13 porquês), que conta a história de Hannah Baker, uma jovem de 17 anos que antes de se suicidar grava fitas K7 com os 13 motivos que a fizeram se matar e as endereça para as pessoas que lhe fizeram mal. 

A regra era bem clara: se você está recebendo as fitas, precisas ouvi-las e repassá-las à próxima pessoa da lista ou todas as fitas serão reveladas. Clay Jensen é uma das pessoas que recebe as recebe e fica e perguntando o tempo inteiro o que ele podia ter feito de tão ruim que despertasse esse gatilho nela, já que eram amigos e ele era apaixonado pela Hannah. 

Eu li o livro a algumas semanas atrás posso dizer que a série não me decepcionou, mas acho que uma obra complementa a outra. A Netflix nos trouxe um show de detalhes diferente do livro, em que conhecemos apenas os motivos e os personagens superficialmente, a série nos mostra o que cada um está fazendo para seguir em frente depois de ouvir as fitas da Hannah, o que nos faz ficar curiosos e instigados para ver o ver o próximo episódio, que nos faz torcer para Hannah sobreviver, mesmo já sabendo o final da história. 


Demorei em falar dessa série porque precisei absorver tudo com calma, mas depois de ler tantas criticas negativas, eu precisei falar. Muitas pessoas estão dizendo que a série é de uma extrema irresponsabilidade, porque pode ser um gatilho para alguém que já tem pensamentos suicidas. Vou concorda que sim, os temas abordados na série são pesados e marcantes, mas, em minha opinião, questões que precisam ser discutidas e conversadas, como: depressão, estupro, bullying e o suicídio como conseqüência dessas coisas. 



A série nos mostra exatamente isso, como às vezes fazemos alguma coisa que consideramos pequeno ou bobo para uma pessoa, mas para ela é o gatilho que estava faltando para cometer o suicídio. A Hannah tem 13 motivos, alguns muito, muito pesados, outros mais leves que pode ser considerado “brincadeira de criança” para alguns – porque sim, eu li esse tipo de coisa na internet -, e para quem pensa que ela é uma vítima de tudo, está muito enganada, a Hannah comete erros, alguns sem querer, outros por estar tão perdida que não sabe o que fazer, mas a verdade é que ela se sente culpada por duas coisas que aconteceram e somando isso tudo ao resto é... Trágico demais para uma pessoa em depressão agüentar. 

“A série está romantizando o suicídio”, “Ela foi uma fraca por não aguentar”, “Todo mundo me chamava de – escreva aqui um apelido ruim – e nem por isso me matei”, “Pior do que ela se matar é ter deixado as fitas se vingando das pessoas”, "Essa menina é muito dramática e só queria atenção". 

Li todos esses comentários na internet e fiquei pensando em como existem pessoas insensíveis nesse mundo. Não estou dizendo que a série não tem nenhum gatilho, talvez tenha para uma pessoa em crise, mas em momento nenhum ela romantiza o suicídio. Acho que a intenção do livro e da série é fazer as pessoas pensarem mais antes de dizerem alguma coisa. Também não considerei a atitude da Hannah em deixar as fitas como vingança, em centenas de situações parecidas, as pessoas deixam cartas e bilhetes explicando o motivo, ela só fez isso com as fitas e quis que as pessoas que foram um motivo as ouvissem. 


Acho que todas as pessoas deveriam assistir essa série, para que possamos pensar melhor nas coisas que fazemos ou falamos de outra pessoa. E também quero deixar registrado aqui que, não conheço muitas das pessoas que leem meu blog, apesar de ser muita grata, mas se precisarem conversar, podem me procurar em qualquer uma das minhas redes sociais. Se você está passando por uma situação difícil, se você está precisando de ajuda, se sofreu algum abuso e não sabe o que fazer, procure alguém para conversar, escolha a vida. Apesar de não parecer no momento, as coisas vão melhorar!

Vocês já assistiram a série? Me contem o que acharam! 


 
© Copyright - Mariely Abreu - Design e Codificação - Todos os direitos reservados Voltar ao Topo!