RESENHA: A GAROTA NO TREM - PAULA HAWKINS

Título: A Garota no Trem
Título Original: The Girl On The Train
Autor (a): Paula Hawkins
Editora: Record
Páginas: 378
Ano: 2015
Classificação: 4/5
Onde comprar: Saraiva | Submarino
Adicione: Skoob

Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Janson –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.

Rachel está em uma situação que ninguém iria querer estar, seu marido a trocou pela amante mais nova, tendo uma filha com a mesma e formando uma nova família na mesma casa em que moraram juntos. Para piorar tudo, ela foi demitida há vários meses, mora de favor na casa de uma antiga amiga que já está de saco cheio, e virou uma alcoólatra. Todos os dias ela sai de casa e embarca em um trem para Londres, para que sua amiga não saiba que ela foi demitida, passa o dia bebendo e torturando-se ao pensar em Tom, isso quando ela não resolve ligar para ele ou procurá-lo em sua nova casa, implorando para que ele lhe dê mais chance. 

Com tanta coisa acontecendo em sua vida, Rachel começa um novo passatempo, ela passa a observar as casas próximo ao sinal em que o trem para no mesmo horário todos os dias, e começa a se apegar a um casal em especial. Em um belo dia, ou melhor, em um péssimo dia, onde ela acorda nua, com as roupas fedendo a urina, sangue seco em sua mão e sem se lembrar de nada, Rachel descobre que Megan, a mulher que ela observava todos os dias está desaparecida e que ela foi vista próxima a casa dela naquela noite. 

Envolvida mais do que deveria em toda essa trama, ela decide que precisa fazer alguma coisa para descobrir o que aconteceu com Megan, mas o que ela não esperava, era que na busca por encontrar respostas para aquela mulher, ela descobrisse mais sobre ela mesma. 


A garota no trem foi um livro que devorei em poucos dias, sua escrita é fluída na maior parte do tempo, sendo Rachel a narradora principal da história, nos deixando ver o quanto ela não fazia nenhum esforço para superar seus problemas e se menosprezava o tempo inteiro, mas também tendo capítulos narrados por Megan e Ana – a nova mulher de Tom -, nos deixando mais pontos de vistas para apreciarmos a história. O livro é um quebra-cabeça que você precisa ir montando aos poucos, é importante prestar atenção em TUDO que se é dito ou lembrando pelas narradoras. 

Apesar de ter gostado bastante do livro e da história, houve um hype tão grande no livro nos últimos tempos que eu, sinceramente, esperava mais. Mas ainda assim, o livro te causa emoções conflitantes, nesse jogo onde nem tudo o que parece realmente é. 

O thriller psicológico é bem construído, nos mostrando que nem sempre a vida de um casal é o que aparenta. Relacionamento abusivo é um dos temas abordados e já que nas últimas semanas estamos falando bastante desse assunto, eu aconselho bastante a leitura, mas adianto, é o tipo de história que deve ser lida sem expectativas prévias para que assim possa se surpreender com o que ocorre.

“Eu perdi controle sobre tudo, até mesmo sobre coisas na minha cabeça.”





Alguém ai já leu o livro ou viu o filme? O que acharam?



 
© Copyright - Mariely Abreu - Design e Codificação - Todos os direitos reservados Voltar ao Topo!